terça-feira, outubro 02, 2007

Pelo amor de alguma coisa de valor!

Nada melhor do que um lugar para divulgar nossas idéias, pensamentos e devaneios.

Mas nada se compara a ter alguém para discutir ou poder dar sua opinião.

Na era da informação isto tem sido comum. Em alguns grupos a comunicação é tão rápida e necessária que os que não informam tendem a aceitar aquilo que é informado pelos outros.

Minha reflexão da semana é intrigante e dependendo do momento maçante.

Mas vale muito a pena tentar. Lá vai:

Qual seria o mundo ideal para você?

Creio que tenha sido rápido. Achou difícil? Veja alguns detalhes que refleti estes tempos, talvez o ajudem a abrir algumas portas ai dentro.

Algum dia você já se deu o direito de imaginar, pelo simples exercício da psique, o mundo sob o seu amparo, idéias, pensamentos e valores?

Há tempos não vejo uma boa discussão sobre um mundo melhor em uma roda de amigos. Temos muito o que fazer durante nosso dia...

O fato desencadeador da minha preocupação foi acompanhar o processo de geração de uma criança. Acompanhei até o nascimento, e se você tiver oportunidade similar, talvez entre na mesma tônica.

Retornando ao assunto.

Era um sonho de criança imaginar o mundo melhor...

Somos adultos resignados? Acho que não. Questionemos-nos então:

Será que não pensar no fato é escolher aceitar tudo isto que vivemos?

Será que não pensar nisto é achar que esta seria a vida ideal?

Será que temos medo, ou simplesmente nunca nos deram este direito?

Idealizar um mundo pode realmente soar como algo subversivo.

Digo a você que não.

Façamos uma experiência.

Feche os olhos. Veja o tamanho deste planeta. Permita-se ampliar a consciência e tocar o mundo com ela.

Achar que o que acontece lá no outro lado não lhe influencia aqui agora, é um pensamento atrasado.

É só ver a natureza ao redor, além disto, milhares de outras coisas. Existem muitos estudos científicos nesta área. Na verdade é só acordar para vida e ver que faz sentido.

O mundo pode ser interpretado pela união do estado de consciência de todos os seres vivos, o registro deixado por todos que aqui já passaram e é, por incrível que pareça, um pedaço dos que ainda nem nasceram, pois pensamos neles.

O seu mundo, como seria?

Imagine com mais força, organize o turbilhão de pensamentos.

Difícil? Sei que é. Sugiro algo diferente então.

Visualize todas as suas qualidades, habilidades, valores, capacidades, defeitos etc. multiplicados pelo seu tamanho e importância. Quanto maior, mais estas características se sobressaltam.

Não quero cair no velho chavão da política. Porém lembro que os fatos políticos da TV acontecem todos os dias em bilhares de empresas, pequenas organizações, famílias, colégios, favelas etc. O dia-dia para alguns é pior do que o que se tem visto nos noticiários.

Quando vemos fatos cabeludos podemos exercitar nossa percepção e talvez se nos enxergarmos poderemos ter consciência que assim um dia já fizemos, em nível maior ou menor. Um espelho trocando de canal...

Chegamos a um ponto obscuro e temos dúvidas se há menos pessoas com boas intenções do que as más intencionadas. Qual é o nosso time?

Não responda ainda.

Fato sabido é que se não há uma estrutura sedimentada no próprio ser, quando um destes cresce na sociedade seja qual for a área o que acontece é desastroso.

Problema agravado pelo fato de ser permitido comprar, ceder, engambelar uma hierarquia.

Muitas vezes cresce-se, não por mérito. Mas por manipulação, por dinheiro, interesses pessoais, sedução e tudo aquilo que sabemos. Não seja cúmplice de algo assim. Nem se aceite subindo assim. Faça políticas mais inteligentes e honre o título homo sapiens sapiens.

Para responder a última pergunta exercite sua consciência e sempre que cometer algo que sua própria consciência sabe não ser socialmente correto, imagine-se crescendo e fazendo o mesmo em nível maior, maior, maior, maior... sinta-se como a pessoa mais influente do mundo!

Quando você toma uma atitude destas incorretas, estará fortalecendo a energia que fomenta este tipo de atitude no mundo. Você será um deles, e estará em um patamar menor, somente por falta de oportunidade. Lembre-se que somos mamíferos condicionados.

Fará parte do grupo que mina o mundo, só que em uma subdivisão subalterna e diminuída, o que é muito desclassificado.

Pense.

Seu mundo, como seria? Se seu mundo fosse norteado pelos seus valores, qual seria a imagem dele? Qual o grupo que você se encontra? Os que crescem e levam mundo e outras pessoas junto ou os que crescem e enterram o mundo?

Não importa o tamanho da pá, você vibra igual. Tem um grupo neutro muito extenso. Não enterra mais é enterrado. Vimos que quem não informa na era da informação pode estar concordando com quem informou mais rápido. Quem não age é cúmplice.

E agir não pode ser tão complexo. É só falar, fazer e dar o exemplo.

Sempre que for freada e superada a tentação da corrupção estará dando passo a liberdade e a um novo mundo.

Por fim nosso último exercício de imaginação.

Se no mundo restasse um único ladrão, só ele, perdido, em meio a extensa população de mais de 6 bilhões de pessoas, qual seria o olhar de todos sobre ele caso roubasse um centavo?

Um olhar incrédulo de mais 6 bilhões de pessoas! Impossível sobreviver. Claro que a humanidade precisa dar um passo que ultrapassa a imaginação para que algumas pessoas não precisassem disto para sobreviver. Entretanto em um grupo pequeno funciona igual. Se só um está fora do eixo provavelmente haverá uma alto-exclusão ou um processo muito sofrido de ajuste.

As coisas podem até demorar a aparecer, mas aparecem. Esta é a lei.

São muitas coisas. Espero ter-me feito claro. Meu objetivo é tirá-lo da casca quase inquebrantável da barreira mental, os paradigmas de forma simplória e real.

Pense, por favor, pra que pelo menos aja mundo daqui há alguns séculos.

Influencie através do seus valores.

Não seja pequeno, seja todos nós, pelo amor de alguma coisa de valor!

3 comentários:

Anônimo disse...

Ricardo,
Muito inteligente e profundo o que você desenvolveu neste texto.
Esta leitura me remete diretamente a história real de um livro que estou lendo. Uma mãe canadense, preocupada com a vida escolar de seus filhos, pensando em tudo que eles enfrentariam na escola, imoralidade, drogas, alcoolismo, linguagens vulgares e em tudo mais que poderiam afetar sua educação, teve a idéia de criar um grupo de mães para fazer orações uma vez por semana para que seus filhos fossem e voltassem à escola protegidos. Ela acreditava que com suas orações poderia estar presente, de alguma forma, mesmo que seus filhos estivem distantes. Crenças religiosas à parte, o que aconteceu com essa mãe foi que ela transformou aquele pequeno grupo de mães num movimento internacional que recebeu o nome de Moms in touch international (mães em contato internacional). Hoje, mais de 400 mil livretos do grupo com orações e pensamentos dessa mãe, já foram impressos e traduzidos em vinte e três línguas, inclusive com uma versão em braille. Que diferença uma pessoa pode fazer! Sim. Que diferença podemos fazer! Essa mãe trocou a angústia e a incerteza por fé e confiança, além de ajudar muitas pessoas.
Geralmente, só começamos a nos preocupar com o futuro quando temos um filho. Nos preocupa a vida que vão levar e o futuro que os espera. Mesmo assim é difícil fazermos algo de relevância para transformar o mundo em que vivemos. As vezes achamos que precisamos fazer grandes coisas para valer a pena, mas muitas vezes uma pequena porém generosa atitude pode fazer grandes transformações em nossas vidas.
Precisamos acreditar que nossa atitude tem valor diante da vida e que podemos ser exemplo não só para os nossos filhos, mas para muitos ao nosso redor. É a atitude, para o bem, de cada um de nós que fará com que tenhamos orgulho do que estamos deixando para os nossos filhos. Porque não basta saber e ter consciência de que podemos mudar, é preciso agir.
Beijos,
Keila

Franci disse...

Vizinho, muito bom seu texto. diria até magnifico. me identifiquei muito.Pois me considero uma pessoa que "luta" por um mundo melhor, mesmo que minha "pá" de contribuição seja pequena, tento passar as pessoas, que um simples gesto pode fazer a diferença no nosso dia-a-dia e nos proporcionar uma visão de que o mundo o que nós desejamos. mas não vou me aprofundar ou podemos ter um livro aqui.
abração

Beatriz disse...

Fico feliz em conhecer um pouquinho mais de você, fico mais feliz ainda ao perceber você, seus pensamentos, e tudo mais...
Parabéns Ricardo!
Beatriz